Linx Commerce Linx Commerce

Estima-se que boa parte do faturamento dos e-commerces brasileiros (entre 20% e 30%) seja gerado pelos marketplaces, e essa informação atrai cada vez mais vendedores para dentro do universo das vitrines virtuais. Porém, o que não se sabe, na maior parte das vezes, é que existem 5 pontos que precisam ser levados em consideração no momento de anunciar em marketplace os seus produtos.

O processo de escolha, cadastro e aprovação nos grandes shopping centers virtuais pode ser muito burocrático e trabalhoso. Alguns fazem seleções rigorosas, exigindo critérios, como: tempo mínimo de atuação enquanto e-commerce, atuar em um determinado segmento ter ticket médio com certo valor mínimo ou notas positivas em sites de avaliação como o E-bit ou o Reclame Aqui.
Além disso, cada um deles tem contratos e condições distintas que devem ser pesquisadas e avaliadas pelo vendedor. Em geral, as exigências são bastante razoáveis, mas ainda é preciso estar atento às particularidades de cada um. Confira tudo sobre o assunto, a seguir:Para muitos lojistas, as vendas por marketplace são o ponto alto do seu negócio e a expectativa para 2018 é positiva. Uma pesquisa realizada pelo Olist identificou que 89% dos comerciantes que atuam por meio do modelo projetam aumentar seu faturamento nos próximos 12 meses. No entanto, de nada adianta expor os seus produtos no local errado, certo?
A escolha do marketplace é primordial quando se quer ter sucesso em conversões de leads e vendas. É preciso analisar com cuidado as possibilidades que o mercado oferece, verificando quais reúnem o público perfeito para a sua loja. Se você vende calçados esportivos a melhor opção é anunciar em marketplaces, como na Netshoes, por exemplo. Agora, se você possui diversos artigos relacionados a esportes, pode valer mais a pena disponibilizar os produtos na Centauro ou Dafiti.
Essas avaliações devem ser feitas pelo próprio vendedor, mas existem dois fatores que devem entrar na lista de quesitos para essa tomada de decisão: visibilidade e investimento acessível.Um dos principais pontos antes de anunciar em marketplace é conferir quais são as suas regras de associação. Cada loja tem as suas exigências, definidas conforme as suas próprias diretrizes e é preciso estar ciente disso para definir qual o melhor lugar para colocar os seus produtos à venda.
O processo de entrada, normalmente, começa com um cadastro. Normalmente, esses formulários estão disponíveis nos sites da plataforma e as principais informações pedidas são: nome do responsável, meios de contato, nome fantasia e CNPJ da empresa. Alguns marketplaces solicitam ainda informações relacionadas a reputação da marca e à presença online.
Depois, é necessário conhecer quais são os termos e políticas vigentes e, assim, ter clareza sobre as suas responsabilidades e direitos:

  • Emissão de nota fiscal: esse é um quesito obrigatório em qualquer marketplace e, na maior parte das vezes, a prática de emitir a nota fiscal é de responsabilidade do lojista e não do marketplace.
  • Entrega: as questões relacionadas a logística da entrega, como a contratação do serviço de transporte, devem ser gerenciadas pelo dono do e-commerce. Na Amazon, por exemplo, o lojista pode enviar a mercadoria pela transportadora que desejar, desde que informe o código de rastreio. Um ponto interessante é que algumas empresas impõem requisitos específicos, exigindo que o lojista envie seus produtos para o Brasil inteiro, por exemplo. Então, esteja atento a isso.
  • Frete: o próprio vendedor é responsável por atualizar o valor do frete, porém, ele deve seguir as políticas pré-estabelecidas por cada canal. Existem situações em que você pode adotar tabelas dos Correios, das transportadoras parceiras do seu negócio ou criar uma tabela de frete própria. Em qualquer um dos casos é preciso ter as condições de frete cadastradas na plataforma, como peso, preço e prazo. No Walmart toda a gestão da loja é feita pelo vendedor: ele é quem define o preço do produto, faz o controle do estoque e determina as condições de frete.
  • Taxa de comissão: para ter lucro com as vendas dos seus parceiros, os marketplaces sempre cobram uma taxa de comissão sobre o volume de vendas gerado. Ela pode variar entre 10% e 30% por pedido concluído.
  • Prazo de pagamento: conhecer os prazos de pagamento do marketplace é necessário para a saúde financeira do seu negócio. Portanto, esteja atento: o processamento do pagamento é de responsabilidade da plataforma. O prazo muda conforme as regras de cada marketplace e pode variar de 2 a 45 dias após a postagem ou a conclusão da entrega do produto. Alguns marketplaces, como a Amazon, mesmo permitindo o pagamento parcelado, repassam o valor integral do pedido ao lojista.
  • Gestão de venda: por mais que os seus produtos estejam nas maiores vitrines do mercado do online, o sucesso do seu negócio só depende de você. É preciso, além de ter preços competitivos e condições de frete favoráveis, fazer um bom cadastro dos produtos na plataforma, assim como realizar uma boa gestão do estoque, fazer entregas qualificadas e atender aos consumidores de forma eficiente e clara.

Depois de escolher os marketplaces mais interessantes para o seu negócio e conhecer as suas exigências, é preciso separar as documentações necessárias a fim de agilizar a associação. Confira, a seguir, uma série de documentos legais que podem ser solicitados ainda na hora do cadastro:

  • Comprovante de Inscrição e Situação Cadastral perante a Receita Federal (CNPJ);
  • Contrato/ Estatuto Social atualizado (constituição e última alteração);
  • Comprovante de Inscrição Estadual;
  • Declaração do regime de tributação;
  • Consulta Pública ao Cadastro do Estado (SINTEGRA – ICMS);
  • Certidão Negativa de Débitos Tributários / Trabalhistas / Previdenciários;
  • Certidão Negativa de Falência e Concordata – Estado (matriz e filiais);
  • Certidão dos Distribuidores Cíveis do Estado sede;
  • Certidões dos Distribuidores Criminais do Estado sede (em face dos representantes legais e referentes ao CNPJ do Fornecedor);
  • Certidão de distribuição de ações e execuções cíveis e criminais da Justiça Federal.

#Dica: tenha a cópia digital de todos eles em mãos!Após o preenchimento do formulário e o envio dos documentos necessários, o seu e-commerce passa por um processo de aprovação. Alguns realizam uma aprovação quase automática (depois de algumas horas a sua loja já está apta a vender). Por outro lado, outros fazem uma avaliação minuciosa das informações, verificando as condições de ingresso da sua loja na plataforma. Neste momento são conferidas todos os dados e documentos repassados e, às vezes, é preciso até negociar o valor da comissão.Com o cadastro aprovado, está liberado o envio dos produtos e o começo das suas operações de venda no marketplace. Tudo começa com o envio dos dados das mercadorias. Aqui na DCG, você pode investir no Octopus, uma solução de vendas integradas nos maiores marketplaces do mercado. Você pode anunciar os produtos do seu e-commerce por meio da plataforma e gerencia-los em mais de 20 lojas, entre elas: Amazon, Americanas e Mercado Livre.
Um cuidado importante é ter todos os seus produtos cadastrados de forma que o marketplace não rejeite nenhum por não reconhecer o nome ou a descrição da mercadoria. É preciso ter atenção as regras de cada canal e verificar quais são as suas exigências de cadastro para não ter transtornos no momento de colocar os produtos à venda.

Atualizado há 20 dias